Sobre buracos e recheios

buracos-estrada

As coisas andam difíceis por aqui. Difícil até encontrar tempo e anseio para escrever. Ando tapando buracos demais… Sim…. buracos. A filha que não dorme mais em sua própria cama, o filho que quer o aconchego eterno do colo, o marido que quer ouvidos e braços incansáveis.

Ando fazendo trabalho de muitos. Na esperança de que não hajam mais buracos. Recheando vidas enquanto esvazio a mim mesma. Recheando os medos com coragem e segurança, recheando as carências com afeto e ternura, recheando as insatisfações e culpas com escuta e paciência. Um movimento constante, invisível, cansativo. Onde não sobra espaço para meus medos, minhas carências, minhas insatisfações e culpas. Enquanto preencho as faltas alheias, torna-se cada vez maior o oco de mim mesma.

Por quê não permitir a falta e o sofrimento do outro? Aonde a falta de afeto torna-se o medo da perda? Por que essa completude é tão exaustiva e inviável?

Ando tapando buracos demais…. E meus buracos, quem alcança? E minhas faltas, quem silencia? Elas gritam. Gritam um silêncio feito de palavras incompreendidas. Feitos de espaços preenchidos, de cimento, cola, presença. Queria ser ausência e falta para ir de encontro a mim mesma. Cansada de ser colo, travesseiro, ouvido, braço, abraço, consolo e porto-seguro. Vontade de ser menina. Vontade de ser choro, frágil, vazio, espaço, liberdade enfim.

Lis fez aniversário. 3 anos. Três lindos anos vividos em todas as suas cores e nuances. Não me lembro dos meus 3 anos… Nem dos 5, nem dos 8… Pouquíssimas lembranças de infância me povoam. Olho para trás e não me encontro… Será que já estava a tapar buracos e a perder meus recheios pela vida afora?

Anúncios

Mom is Cool – conteúdo inspirador na construção de nossa Vila

IMG-20171122-WA0179Hoje quero falar um pouco sobre esse projeto, de uma grande amiga, que como eu viu sua vida ser colocada em cheque pelo turbilhão da maternidade.

O Mom is Cool é uma plataforma de Microcursos para Mães (e Pais), onde vários assuntos que povoam o universo da criação dos filhos são abordados de forma carinhosa e inspiradora de forma a trazer informação e alento para as angústias que encontramos no caminho de nossa construção como pais.

Acho que uma das descobertas mais importantes que vivi com a maternidade, foi essa rede de mães, que se unem em busca de trocas, aconchego, entendimento. E através desse tipo de ferramenta, proposta pelo Mom is Cool, nos aproximamos ainda mais da construção de uma Vila, onde possamos criar nossos filhos sustentados pela presença do outro, pela troca de experiências, nos fortalecendo na coletividade como indivíduos, como pais e como transformadores do mundo em que vivemos.

Há algum tempo, fui convidada pela Ana Paula, uma das idealizadoras do Mom is Cool, a contribuir com esse conteúdo precioso. Essa parceria deu certo, e a partir desse mês, além de acessar esses cursos tão importantes, vou poder contribuir com um pouco do que aprendi ao longo de minha vida profissional, falando sobre a presença dos diagnósticos médicos e medicamentos na vida familiar e da criança, e a tendência atual de medicalização da vida e da infância.

Abaixo segue o link para essa plataforma maravilhosa e transformadora, onde além do meu microcurso: “Meu filho precisa de remédio?”, vocês irão encontrar um conteúdo muito rico, sobre a tecnologia na vida das crianças, alimentação saudável, o prazer da leitura na infância, a importância do brincar, o sono saudável do bebê, as vivências da gestação e do pós parto, comunicação entre mãe e filho, enfim… uma infinidade de assuntos que habitam o universo da crianção dos filhos e de nossa construção como seres éticos e transformadores.

https://www.momis.cool/cursos/meu-filho-precisa-de-mdico-por-juliana-sartolero-do-maeneira-de-ser

 

 

Vazio na alma

gaveta-006

Há tempos venho querendo escrever sobre isso. Repassando minhas notas de lembrete de temas a escrever no Blog vejo a listinha:

Culpa

Consumo

Desmame

Vazio na alma

Nossa! Me lembrei de Drummond: “Tenho apenas duas mãos e o sentimento do mundo”. Prepotência equiparar meus sentimentos e meu mundo aos do menino gauche que transformava as suas pedras no caminho em poesia, mas também sinto que é preciso tornar mundanos os sentimentos que empunho.

Há alguns meses, enquanto atendia em uma Unidade de Emergência, recebi uma menina-moça no alto de seus quinze anos, que havia ingerido medicamentos de forma abusiva. perguntei a ela se ela queria morrer, e ela, pensativa respondeu:

– “Não… queria acabar com esse vazio enorme que sinto aqui dentro.”

Uma compaixão enorme tomou conta de mim naquele momento, e mais do que nunca me perguntei, tamanha a desesperança de uma menina diante do mundo e da própria existência: O que estamos fazendo com as nossas crianças?

Vazio. Estamos a curtir, compartilhar, seguir, adicionar. Consumimos amigos, de maneira “fast food”, tantos grupos, tantos conteúdos, tantas mídias. E ao seu lado, quem está? E à sua mesa, quem se assenta, quem se sustenta? Quem sorve o café das suas palavras construídas de som e presença? Quem te é olhar, agrado ou desagrado verdadeiro, toque, arrepio, prazer, tristeza ou simplesmente suspiro de estar ali?

Vazio. Estamos a comprar, consumir, experimentar, colecionar, sextas-feiras negras… filas virtuais e viscerais, vestidos de seda, puffer jackets, Oxford metalizados, enxoval da Carters, , vinhos gourmet, cafés bouquet, cerveja artesanal, integrais, orgânicos, sem lactose, sem glúten, sem sentido, sem limites, sem prazer. Aonde isso te alcança? Como isso te toca? Quando ISSO deixa de ser ISSO e passa a ser útil, preciso e real?

Vazio. Estamos a destruir, saquear, sucatear, descartar tudo aquilo que nos é vital. Tudo que é vivo, verdadeiro, que se extingue, se aprisiona. São pastos, represas, sobreposições, desordens de concreto e carbono. Nada se sustenta no que se descarta. Estamos a mamar nas tetas de um planeta exausto. E a tua culpa, onde está? O que cabe no teu lixo? Onde a carne que te consome se digere?

Culpa, consumo, desmame, vazio na alma. Checked. Aonde o vazio acaba? O vazio do desmame, a culpa pelo consumo, a alma…

Enquanto houver perguntas, nossa criança estará salva. A criança interior, que não se entorpece com remédios, que não precisa de roupa nova nem legumes orgânicos. A criança que brinca em nossos vazios e se aborrece quando há demais. Gente demais, coisas demais, informação demais. Nossas crianças precisam de vazios…. para que os tolerem depois. Gavetas vazias pedem pensamentos, barrigas vazias pedem alimento real, espaços vazios pedem contentamento, e assim se constroem almas plenas em desejo!

 

 

O silêncio das pequenas coisas

barco-vela-entardecer-1

Meu trabalho habita o silêncio das pequenas coisas. A saciedade é silenciosa. O prato cheio de comida, a colher que alimenta, o seio farto, são portadores do silêncio da fome aplacada.

O sono é silencioso. As histórias de elefante, dinossauro, princesa são construídas no silêncio do adormecer. Os suspiros, os sonhos, os levantares noturnos para ver se estão aquecidos e tranquilos. Os carinhos nos cabelos perfumados de orvalho, o cheiro da noite quente e estrelada que abriga seus corpos adormecidos no balanço das canções de ninar.

O contentamento é silencioso. O brincar permitido, a liberdade de criar, a expressão de si na construção cotidiana. O silêncio das bonecas e castelos de areia, os sussuros das torres de bloquinhos, das cabaninhas, de panelinhas e canções de roda. Meu trabalho habita o sossego da brincadeira.

O afeto é morada de silêncio. Os abraços apertados, os beijos de sarar dodói, o colo que aconchega. A mão que equilibra o primeiro passo, os braços que conduzem ao desafio, o peito que se agiganta para o consolo. Cócegas na alma são silenciosas.

Porém, meu trabalho habita também a ausência de silêncio. Estou presente no choro, na insatisfação, no desejo não realizado, na fome, na irritação, no não. Meu trabalho permite o barulho da falta. Pois só se encontra na serenidade do silêncio aquele que conhece a inquietude ruidosa da insatisfação.

O silêncio das pequenas coisas nos organiza e torna capazes de enfrentar a grandeza da vida. O barulho do descontentamento nos provoca, nos convida ao movimento.

Assim, meu trabalho está também na ausência. A falta de mim faz com que eles sintam a presença deles mesmos. A ausência é ruidosa, até que eles se encontrem no silêncio do existir sem o outro. E é aí, quando a ausência se torna silenciosa que meu trabalho termina.

Logo, eles seguirão seus caminhos sozinhos…. buscarão seu próprio alimento, não haverá necessidade de que zelem pelo seu sono, de que permitam suas brincadeiras. Logo, a busca pelo silêncio será deles, será dentro, será longe.

Quando esse dia chegar, meu peito será barulho. Um grito de ausência, de falta, de insatisfação. O choro do silêncio perdido. Até que encontre em mim mesma, a serenidade silenciosa de ter deixado partir, partida. Então meu trabalho estará terminado. E será nesse dia, então, que meu silêncio, sofrido e intenso, se tornará canção.

Escolhendo as batalhas

pao

Ontem fui colocar os pequenos para dormir, e acabamos adormecendo todos na minha cama. Lis até dormiu na cama dela, mas quinze minutos depois acordou assustadíssima pois havia sonhado novamente com o tal “cachorro verde e bravo” que nas últimas semanas vem visitando suas noites. Ela estava com muito medo, pois o cachorro havia mordido sua perna no sonho, assim a levamos para nossa cama. Otto, já estava há mais de uma hora e meia lutando contra o sono, então fomos todos para o “quarto do papai e da mamãe”.

Deito. Todos dormem. Em minha cabeça giram a pilha de roupa suja que tenho que colocar pra lavar antes de dormir, as centenas de copos e o pão que ficou em cima da mesa do jantar e vai acordar duro e imprestável para o café da manhã, o café da manhã: só teremos esse pão duro, preciso fazer compras urgente! Nossa, esqueci de fazer sacolão pelo site dos orgânicos que funciona até a meia noite… ainda dá tempo. Cama compartilhada, nunca esteve em nossos planos e agora quase toda noite estamos todos aqui…. será que os meninos vão crescer problemáticos? Preciso marcar a dentista da Lis urgente! Esse mês não posso atrasar de novo as vacinas do Otto….

Todos dormem. Eu rodo, com sono, tento levantar, desisto… Está tão quentinho. Mas ainda são nove da noite! Tanta coisa pra fazer! O celular ficou la embaixo na sala, tenho que colocar pra carregar. Será que meu marido fechou a porta de casa? Trancamos os carros? Tenho que tirar a carne do congelador para amanhã. Nossa… as mochilas não estão arrumadas para a escola.

Temos que escolher nossas batalhas. O dia foi tão gostoso e tão cansativo… Durmo.

Tenho repetido essa frase para mim mesma e para algumas amigas como um mantra. Já deixei de querer ser Super há um bom tempo, mas mesmo assim são tantas tarefas, tantas pendências e tantas cobranças diárias, que tenho que me passar a limpo diariamente e escolher minhas batalhas para conseguir sobreviver nesse mundo louco. É preciso ser leve. Viver com leveza, organizar a vida com leveza, amar com leveza. Diariamente.

Meu marido está muito preocupado com o Seguro de Vida. Tenta dividir comigo a angústia, fala de números, estatísticas, cálculos. De quanto precisaremos para que as crianças cresçam seguras? Sem sobressaltos? Sem maiores dificuldades? Não consigo. Juro que faço um esforço enorme para compartilhar com ele essa angústia. O presente me é tão vivo e real, tão carnal, tão visceral, que não consigo “segurar a vida”.

Assegurar:

  1. tornar infalível, seguro; garantir.
  2. afirmar com certeza, com determinação; sentenciar, asseverar.

Quando leio as definições entendo: Não consigo garantir, nem sentenciar nada nesse momento.  Nesse dia-a-dia caótico em que vamos estabelecendo as prioridades conforme as demandas vão aparecendo, onde tudo é relativo e às vezes dançar o “boi de Mamão” na sala é muito mais importante do que comprar o pão para o café da manhã seguinte, onde brincar de boneca ou andar de bicicleta no quintal é a melhor programação de sábado dos últimos tempos, onde troco o plantão “aos 45 minutos do segundo tempo” para ir à festa da Primavera na escola.

Mas imprevistos acontecem! E se….

Não consigo. Cuide de nosso futuro… estou cuidando do presente. Estou brincando com nossas crianças para que aprendam a resolver seus problemas. Estou cantando para que durmam e acordem plenas de afeto e segurança para a vida adulta. Estou escolhendo ser delas, estar para elas, e ser minha, e sua, e de nossa família, ao invés de ser e viver para as “coisas” que nos rodeiam. Escolhendo minhas batalhas. Mas como diria uma amiga muito querida, batalha é coisa de Guerra, de luta… E não estou lutando. Não é uma Guerra. Não é pra ser sofrido, nem pra ferir, nem causar disputa e dor.

Estou escolhendo meu percurso. Meu caminho. Que seja cheio de pés de amora e não cheio de roupas sujas. Que seja pleno em tolerância e espera. Que caminhemos juntos, e nos seja permitido adormecer com as crianças, mesmo que ao acordar reste apenas aquele pão duro para o café da manhã. Vamos nos alimentar de vida. Dessa vida diária de pequenas belezas e liberdades.

 

Liberdade

IMG_8103

Tenho lido e conversado muito, sobre coisas diversas. Hoje cheguei a conclusão de que todos esses assuntos convergem para um só: a liberdade.

Medicalização na Infância é um assunto que me provoca. Diagnosticar os problemas de uma sociedade como doença do indivíduo é muito cômodo. Anestesiar, massificar, adequar aquele que não se encaixa no que uma sociedade estipula como normal e aceitável é um caminho muito mais fácil e menos perigoso do que questionar os rumos de uma sociedade que adoece, que vitimiza, que despersonifica. Medicalizar é “curar” a liberdade de ser. Medicalizar é tirar a liberdade de um indivíduo de crescer; seja pela dor, pelo sofrimento, pela responsabilização por seus atos, pela responsabilização pelo seu filho, pela responsabilização por seus alunos. Liberdade dói.

O papel do machismo na criação de nossos filhos e as discussões sobre gênero e sexualidade são tema constante de discussão no grupo sobre educação do qual participo. Valorizar a potência de cada um (frase dita por uma recém amiga querida), perceber e valorizar o seu feminino, o seu masculino, sem que para isso seja necessário diminuir o outro, subjugá-lo, é o caminho para uma relação mais igualitária entre os gêneros. E para criar filhos que transitem entre seus “eus” femininos e masculinos de maneira saudável e segura. Liberdade de se expor, de se travestir de cores diversas, de transitar por nuances femininas e masculinas do ser e proporcionar essa liberdade aos nossos filhos; sem medo, sem que dessa maneira sejamos classificados, julgados, diagnosticados. Liberdade transforma.

A maternidade pode ser terrivelmente aprisionante, e pode ser libertadora. Conduzir o filho ao lugar onde antes habitava a falta, a insatisfação, a carência é aprisionar sua alma. Lendo “A maternidade e o encontro com a própria sombra”, percebo como esse movimento de construção do indivíduo é árduo. Como temos que nos desprender de padrões e repetições para que nossos filhos tenham segurança para seguir.  Como temos que nos libertar de nós mesmos para proporcionar autonomia aos nossos filhos. Como temos que olhar pra fora…. quando olhamos para além da maternidade, permitimos que nossos filhos enxerguem o outro e busquem a si mesmos. Liberdade emancipa.

E é no relacionar-se com o outro que a liberdade se torna amadurecimento. Poder estabelecer uma relação de parceria sem que para isso tenhamos que oprimir o outro ou anular nossos desejos e necessidades. Respeitar os espaços, transitar pelas dificuldades e realizações do outro com delicadeza, empatia e cuidado. Saber reconhecer o que é meu, sem culpabilizar e responsabilizar o outro por minhas insatisfações. Liberdade aproxima.

Sejamos livres para construirmos a cada dia seres humanos únicos e socialmente responsáveis. Indivíduos seguros, autônomos e éticos. Sejamos livres a ponto de alcançarmos a harmonia com o todo, sem perdermos nossa identidade. E que saibamos respeitar a liberdade dos que nos rodeiam, de seguir, de discordar, de serem diferentes.

Diante de todos esses assuntos únicos em sua complexidade, chego a conclusão de que há algo mais. Só conseguimos alcançar e proporcionar ao outro a liberdade quando agimos com zêlo, dedicação e cuidado. Portanto, acho que no meu caso, antes de buscar a liberdade, acho que sempre existiu a busca pelo Amor. Amor liberta.

 

 

A maldade dentro de cada um…

porco5

Nas últimas duas semanas fui convidada e refletir sobre a maldade que guardamos dentro de nós mesmos, sobre como ela aparece no  nosso dia-a-dia e como trabalhar isso na vida de nossas crianças.

Todos nós, em diferentes intensidades, alguma vez na vida, já nos deparamos com situações onde o MAL impera. Partindo de nós mesmos ou do outro, esse sentimento vestido de atitude é ao mesmo tempo temido, rejeitado, negado e vital.

O ser humano tem maldade dentro de si. A criança que arranca as patas da formiga, a senhora que mata a galinha para comer, o cirurgião que corta a carne de seu paciente, o irmão que empurra aquele que está aprendendo a andar, aquele comentário maldoso sobre o colega de trabalho. Pequenas maldades nossas de cada dia, que impulsionadas pela vivência de cada um fazem a roda da vida girar e nos ajudam a sobreviver em um mundo nada gentil.

A forma de lidarmos com a maldade que vivenciamos é a principal arma que temos para fazer de nosso MAL, uma ação produtiva. Pintar um mundo cor de rosa, ensinar a nossos filhos a se conterem frente a situações em que estão insatisfeitos ou infelizes, podar suas explosões de raiva ou cercear suas manifestações de agressividade é fechar os olhos para o MAL de cada um.

No final da faculdade, fui com alguns amigos para a fazenda de um grande amigo, no Norte de Minas. Logo à chegada , havia uma grande comoção na fazenda pois no dia seguinte haviam planejado matar um porco em homenagem a nossa chegada. (Com o tempo aprendi que no campo, existem algumas situações de extremo significado e importância para a comunidade e a família. Matar um porco era uma dessas ocasiões.)

O dia seguinte chegara, e o momento de matar o porco também. Achando que seria uma grande honra, me ofereceram a oportunidade de ser eu mesma, o carrasco do porco. Naquele momento, sem dúvida ou apreensão aceitei o desafio. O pai de meu amigo, me ensinou a empunhar a faca e a técnica para o assassinato do bicho.

Matei o porco.

Matei ali também muito da maldade que vivi, que vi, que sofri até ali. Eu me deparei com a maldade que há dentro de mim…e pude fazer dela algo produtivo. Hoje em dia, em meu ofício diário, mato um leão por dia. Uso minha maldade, minha agressividade, para salvar vidas. Minha maldade é vital, e é produto das maldades que vi e vivi.

Antes de lidar com a maldade que vem à tona quando confrontamos nossos filhos, precisamos ter a coragem de encarar nossa própria maldade. Onde ela está? Em quê eu transformei tudo de feio e MAU que vivi até aqui? Qual o sentimento que me toma?

Com meus pequenos, tento ajudá-los a enxergar seus sentimentos nos momentos de explosão e raiva. É muito difícil ter empatia e paciência quando seu filho está reativo e agressivo, mas ao mesmo tempo esse momento pra ele é importante e necessário. A que se colocar limites quando a maldade fere a ele mesmo e aos outros, até porquê esse contorno do outro, esse limite entre o ímpeto e a ação ele só vai aprender por si mesmo quando tiver maturidade para construir sua própria autonomia e empatia.

Há uns dois meses fui chamada na escola porque Otto estava mordendo e beliscando os amigos. Estava agressivo e não aceitava os limites que lhe impunham. Em casa era doce e tranquilo, porém submetia-se aos ataques de ciúme, aos carinhos desajeitados e algumas vezes hostis da irmã, e tinha diariamente seus espaços tomados por ela. Logo vi que ele experimentava a maldade em casa, e a distribuía na escola. Conversei com a Lis sobre isso, e perguntei se era isso que ela queria ensinar ao irmão, se ela gostaria que ele se relacionasse com os amigos dele dessa forma. Ela então passou a tratar o irmão com mais carinho e respeito e a expressar sua insatisfação em relação a ele em palavras. Por incrível que pareça, depois disso Otto começou a direcionar sua raiva e agressividade para a própria irmã, e desde então os dois vão se testando e moldando seus limites, nessa troca de carinhos e maldades diárias…

Assim vamos seguindo… encarando e aceitando as maldades de cada um, sem hipocrisia nem medo, porém lançando mão de sentimentos como empatia e de atitudes como gentileza e respeito. Para que todos por aqui consigam matar seus porcos e sobreviver a esse mundo hostil.

Viver é perigoso…

20140108_123028

Semana passada eu trouxe uma cobrinha pra casa, que foi deixada no meu trabalho. Era uma falsa-coral, e ela precisava ser solta na natureza para continuar cumprindo seu papel de bicho solto e feliz.

Acordei no dia seguinte muito entusiasmada, e convidei Lis a soltar a pequenina na matinha próxima de casa. A princípio recebeu o convite com estranheza… me olhou desconfiada e apreensiva, sem entender a importância da liberdade daquele ser pequenino. Expliquei-lhe que deveríamos tratá-la com delicadeza, prudência e respeito e que ela precisava encontrar -se com seus semelhantes, construir uma nova casa e viver a liberdade que a vida lhe deu, e o homem havia tirado.

A pequena então pegou com muito cuidado e curiosidade o potinho onde a cobrinha estava e quis levar até o local escolhido. Perto do riachinho achamos que seria um bom local, abri então o recipiente, e Lis fez cair na folhagem o bichinho. Ficamos ainda alguns segundos a olhá-la e Lis disse que a cobrinha  iria em busca do “CLIC” dela, para brincar com os amigos. Em seguida fomos a matinha de bambu, aonde fica o buraco do Lobo Mau, e Lis contou a ele sobre a cobrinha e sua aventura.

A natureza é o alimento principal para brincadeiras e vivências do dia-a-dia por aqui. Comer amoras, fazer bolo de terra, correr na grama, aprender o nome das flores e ouvir o canto dos passarinhos são privilégios que a vida proporcionou aos meus pequenos e que acredito serem atitudes que ajudarão na formação de seus valores. O ser humano que cresce em contato com a Natureza aprende a respeitá-la, a enxergar pequenas belezas, a ter delicadeza e respeito no lidar com o outro.

Outro alimento para as brincadeiras que sempre aparece por aqui é o Medo. Sim, o medo por aqui é um grande aliado e companheiro. Para que isso ocorra, não encaramos esse sentimento como algo que limita e aprisiona. O medo é um sentimento que nos prepara para a ação. Que nos ajuda a planejar, a conhecer nossos limites, e a encontrar dentro de nós mesmos a medida da coragem que precisamos para seguir.

As brincadeiras com o Lobo Mau, a Bruxa, o Bicho Papão, o medo de escuro, o medo de aranha, de cair da árvore, de estar só. Cada uma dessas experiências nos apresenta um pouco de nós mesmos. Como lidamos com o desconhecido, com o feio, com o mau. É preciso confrontar as crianças em situações onde elas sejam colocadas nesse lugar desconfortável, para que elas encontrem dentro delas mesmas elementos para se fortalecerem e vencerem seus desafios.

É preciso também ter o medo como aliado na construção do limite. Não estou dizendo para usá-lo como ameaça ou forma de contenção. Mas quando a criança enxerga que o medo é um aviso do seu corpo de que ela ainda não está preparada para aquele desafio, ela percebe que está na hora de parar.

O medo faz parte da fantasia, dos contos de fadas, da construção do imaginário e do simbólico, e essa construção começa cedo, na primeira infância. Uma criança que aprende a lidar com seus medos, a encarar seus limites, a se reconstruir para dar conta de superá-los, será um adulto mais preparado e maduro, até porque adulto também sente medo… de escuro, de solidão, da morte, do novo, de amar…

Um dia uma amiga de minha mãe muito querida me disse, enquanto Lis escalava o sofá da sala: “Você não tem medo dela fazer isso? É muito perigoso…”. Eu olhei pra ela de maneira terna e amiga, e respondi: “Mas Bia, viver é perigoso…”.

Acho que aquela pequena cobrinha sabe mais do que qualquer um de nós, o quão perigosa é a vida. Apesar de temida, ela em sua fragilidade pintada em cores de ameaça, percorre um mundo de perigos e desafios em meio a grandes folhas, predadores, chuvas, e noites de solidão. Sempre guiada pelo seu medo, pelo seu instinto, e certa vez por maõzinhas infantis, que a acolheram cheias de medo e respeito, e a ajudaram a voltar a sua jornada tão perigosa pela vida que segue.

 

O amor está em outro lugar

alianca-de-casamento

Grande parte das vezes os relacionamentos se constroem  baseados em testes e provas de amor. Lembrar a data do primeiro beijo, dar flores no dia dos namorados, fazer elogios, marcar a vida a dois com pequenos feitos e atitudes que reafirmem dia após dia esse sentimento que tanto se preza e busca.

Então eis que nascerá um filho. E mais do que nunca há que se provar o amor. Um ultrassom por mês para ver como cresce o pequeno, enxoval completo, de preferência comprado em Miami, Chá de bebê com toda pompa e circunstância, todos os luxos e mimos que aquele pequeno ser merece para se sentir amado e protegido.

Otto fez aniversário. Lis quis escolher um presente para o irmão. O fez um mês antes da data escolhida para a comemoração e até a semana do aniversário repetia para quem quisesse ouvir: “vou dar ao Otto o neném na mala”. Era uma bonequinha, de roupa e chapéu verdes, que vinha dentro de uma mala de zíper e rodinhas, com vários apetrechos: bico, mamadeira, pratinho, etc. E deu, feliz da vida, o presente com o qual o irmão não brincou nem cinco minutos, pois aquele presente que deu ao irmão sempre pertenceu a ela mesma. O presente pertence a quem o escolhe.  O amor está em outro lugar.

Decidi que era a hora da Lis parar de chupar bico. Assim, de maneira um tanto tirana, embasada na angústia de ver a arcada da pequena sofrendo modificações pela presença constante daquele amado “bubu”. Pedi a ela que escolhesse um bichinho de presente para substituir o “Bubu”, então, ela daria o bico a vendedora e em troca receberia o animalzinho de sua preferência. Lis, com sua declarada queda por galináceos, ficou em dúvida entre quatro tipos diferentes – uma codorna, uma mini galinha preta, um pintinho e um galinho garnizé (mesmo que eu dissesse que ela poderia escolher um coelho, peixe, cachorro, gato, hamster…) e acabou elegendo o pintinho. Eu estava insegura, sobre como seriam as noites e os dias dali pra frente, quando ela percebesse que havia feito uma troca definitiva. Me senti precipitada, culpada, cruel. Lis ficou irritada por uns três dias, teve um ataque de choro na segunda manhã de ausência do “bubu”, e lá se vai um mês desde então… Pedro, o pintinho já virou frango. Quando repensei minha decisão, depois dos três primeiros dias, vi que o amor sempre esteve ali, a culpa é que deveria estar em outro lugar.

Hoje acordei muito irritada. Perdi a paciência várias vezes com meus pequenos, estava muito cansada e sobrecarregada pelos afazeres intermináveis de alguém que tem uma família, uma casa e uma profissão para gerir. Deixei os pequenos na escola com um misto de alívio e culpa. Não brinquei o suficiente, não tive a paciência que deveria, não fui exemplo de equilíbrio e autocontrole. Então depois de mais alguns afazeres, me permiti ao fim da tarde, um chá com bolo e trinta minutos de respiro e paz. Pude me reconhecer ali; tão frágil, tão só, tão pequena… Uma menina-mãe tentando acertar, tentando cuidar, sem se preocupar em ser cuidada, em ser acolhida, em ser amada. O amor estava ali, e ali, encontrei também espaço para o perdão.

E assim, entre galinhas, ovos, pintos e frangos, se passam os meus dias por aqui. Tentando encontrar lugar para tantas coisas e sentimentos. Sem me lembrar de datas, sem provas de amor, sem presentes. Mas com empenho em fazer florescer a tolerância, a gratidão, o perdão e o amor.

Na semana passada, eu e meu marido fizemos seis anos de casados. Não nos lembramos. Três dias depois, aproveitando uma folga inesperada, pedimos a minha mãe para ficar com os pequenos por algumas horas para irmos a um restaurante comer alguma coisa. Ela logo disse: “Ah, vão comemorar o aniversário de casamento, não é?”. Nós dois surpresos, nos demos conta de que havíamos esquecido a data. Fomos ao restaurante, felizes, saciados que estávamos de vida em família e companheirismo. Naquele dia, como em tantos outros, em que a vida nos presenteia com pequenas lições de humildade, simplicidade, suavidade…. o amor estava em seu devido e merecido lugar.

 

 

“Mamãe, o Hugo é preto”

20170120_092700

Foi assim, de sopetão. Indo para a colônia de férias, em meados de janeiro, dentro do carro, Lis me disse:

– Mamãe, o Hugo é preto.

Hugo, o professor de música. Até aquele momento Lis nunca havia usado cores para adjetivar pessoas. Foram trinta segundos de silêncio (que pareceram 10 anos), pensando em como continuar aquele diálogo. Então eu disse:

– Hugo é preto? E quem mais é preto, filha?

– Minha galinha, Pretinha.

– A Pretinha é bonita, Lis?

– Sim mamãe, ela é linda.

– E o Hugo, é bonito?

– Sim, o Hugo é bonito também.

-E você filha, de que cor é?

– A Lis é colorida!

E assim fomos, a caminho da escola, falando sobre pessoas pretas, brancas, vermelhas, verdes, coloridas. Foi uma conversa leve e divertida, mas a partir dela comecei a me questionar sobre como ensinar a pequena a lidar com as diferenças.

Discutindo sobre educação em um grupo de pais, o tema foi identidade de gênero. Como não seguir estereótipos e vícios na educação dos filhos para que tenhamos um mundo mais igualitário e justo? Como quebrar o padrão e participar da construção de uma sociedade menos machista e excludente?

Por aqui, atividades e afazeres domésticos são divididos igualmente, sempre em tom de brincadeira – Otto e Lis fazem pão e bolo juntos, arrumam seus brinquedos, limpam o cocô do Pintinho Pedro (novo membro da família que apresentarei no próximo Post). Lis me ajuda a colocar a roupa para lavar e a pendurá-la, os dois me ajudam a lavar louça, e vamos seguindo de maneira natural e lúdica, sem pensar muito em desmitificar o homem que realiza trabalhos domésticos ou em romper com estereótipos.

Tem sido assim. Natural, livre, leve. Otto usa macacão lilás de flores e Lis usa pijama de dinossauros. Otto vai andar de bicicleta com o pai com o capacete rosa choque da irmã e Lis brinca com o caminhaozinho de madeira que compramos no Mercadão. A boneca de lacinho rosa no cabelo se chama Pururuco. Lulu, a amiguinha da Lis que sempre vem brincar aos fins de semana, traz seu arsenal de super-heróis e é fã do Homem Aranha. Acredito que esse transitar por masculinidades e feminilidades, essa possibilidade de representar papéis sociais diferentes e imitar para desenvolver-se é o que vai formar meus filhos seres capazes de se posicionar no mundo com autonomia e respeito às diferenças.

Daqui há alguns anos, naturalmente, eles mesmos vão sentir necessidade de testar seus papéis sociais e afirmar suas identidades de gênero. Nesse momento acredito que a bagagem de experiências que tiveram em casa e na escola, que os ajuda dia-a-dia a formar essa identidade será o principal recurso que terão para conviver em sociedade. Mesmo que Otto seja excluído de uma brincadeira de “comidinha” no quintal da escola por ser menino, ou que seja negada a Lis a vaga no time de futebol, por ser menina, eles saberão que cozinhar ou jogar futebol não são atitudes determinantes de gênero ou caráter. Isso não os destituirá de si mesmos.

No fundo e na superfície, todos nós somos um misto de atitudes e sentimentos femininos e masculinos. No fundo e na superfície todos nós somos um misto de cores e saberes afro, índio e eurodescendentes. No fundo e na superfície todos nós temos deficiências e eficiências diversas. Acho que para uma sociedade mais inclusiva e justa, antes de qualquer coisa precisamos é nos tornar mais coloridos.